Header AD

i

"Deadpool" Crítica da semana em Blu-Ray



Existem filmes que dependem muito da nossa visão daquela obra como filme. Exercendo constantemente a metalinguagem e sendo autorreferenciais na maneira com tratam os clichês do gênero e informações prévias, são filmes que dão outra dimensão sobre a sensação de assisti-los do que se dependessem exclusivamente da suspensão da descrença. Essa é uma abordagem muito comum no cinema de Scorsese, Tarantino, Godard, Woody Allen, entre outros. Confesso que o último lugar que esperava encontrar isso era na sessão de "Deadpool".

Usando e abusando do recurso “vamos rir do nosso filme antes que os outros o façam”,  "Deadpool" tem início com letreiros de apresentação que sintetizam não só a irreverência do longa como também a autoconsciência de um produto enquanto produto dentro da indústria. Escrito pelos responsáveis por "Zumbilândia", o roteiro é estruturado com idas e vindas no tempo, estabelecendo o “herói” em ação ao mesmo tempo que conta a sua origem. Constantemente a quarta parede é quebrada e piadas sobre sexo e cultura pop são feitas. Inclusive até o fato do filme estar (e isso não é spoiler, está no trailer) dentro do universo X-Men de maneira não muito orgânica é usado como situação cômica que funciona muito bem, além de dar mais opções de ação ao diretor, que não precisa se limitar em usar somente o personagem título e nem perder tempo introduzindo outros personagens desconhecidos.

A ação do longa é simplesmente correta, envolvente e satisfatória, a fotografia surge mais cheia de cor na presença do personagem mascarado e um pouco dessaturada na sua ausência ou na sua forma humana  e a música exprime corretamente e a grandeza e apreensão nos momentos devidos, mas o clima é de fato estabelecido pelas canções que tocam no decorrer do longa. A grande sacada está no tom do filme e no próprio relacionamento dos personagens, da química entre Ryan Reynalds, que critica a própria carreira num diálogo hilário, e da brasileira Morena Baccarin. A cena pós créditos novamente recorre ao recurso da quebra da quarta parede de maneira extremamente engraçada e que dá pistas sobre uma continuação.

Sem se levar a sério em nenhum momento e sendo escapista por definição, "Deadpool" é um filme que diverte, envolve é autoconsciente de si e não subestima o espectador. Só por isso é uma produção que passa na frente de muitos longas de seu gênero.

Direção: Tim Miller
Roteiro: Rhett Reese , Paul Wernick
Música: Junkie XL
Fotografia: Ken Seng
Elenco: Ryan Reynolds, Karan Soni, Ed Skrein, Michael Benyaer, Stefan Kapicic, Brianna Hildebrand, Morena Baccarin

O que você espera desse filme? Comente e dê sua Nota... Ajude o www.setimaart.com e os outros internautas!
"Deadpool" Crítica da semana em Blu-Ray  "Deadpool" Crítica da semana em Blu-Ray Reviewed by Gustavo Jacondino on 01:11:00 Rating: 5

Nenhum comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do Site, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor do www.setimaart.com reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.


>

Ads Top