Header AD

i

"O Regresso" Crítica da semana em Blu-Ray

Existem filmes que, quase de maneira hipnótica e envolvente, conseguem, ao mesmo tempo que contam uma história, gerar reflexão sobre o ser humano, a natureza e as relações entre ambos. No cinema de Werner Herzog e de Terrence Malick temos ótimos exemplos desse tipo de cinema. Infelizmente não é o caso do mais novo trabalho de Alejandro González Iñárritu.

Começando seu longa com sussurros que se pretendem poéticos, rostos filmados com grandes angulares e planos em contraluz em meio à magníficas paisagens naturais, O Regresso de cara já lembra filmes como o subestimado Novo Mundo ou o belíssimo A Árvore da Vida, ambos de Malick. Vindo de Birdman, filme quase inteiramente composto de um único plano-sequência, Iñárritu e Lubezki buscam repetir a fórmula variando entre longos planos e planos-sequência. Um em específico que envolve uma batalha contra os índios é particularmente empolgante, envolvente e bem filmado. Num primeiro momento os cortes surgem sempre pontuais. Porém há cenas em que se pode questionar a câmera contínua em detrimento do corte. Se em Birdman temos a sensação de continuidade oriunda do plano-sequência que rima com a ideia da história se passar num teatro, dando-nos a sensação de improviso e do trabalho do ator que é tão caro e essencial ao longa, neste O Regresso o fato da câmera estar se movimentando ao redor de um eixo muitas vezes ao longo do filme dá a impressão de exibicionismo por parte do realizador, não encontrando amparo narrativo para essa decisão. Aí chegamos à cena mais brutal e realista do filme, do ataque do urso, em que novamente a câmera errante passa a ter planos fechados e enquadramentos estranhos que poderiam ter sido evitados com o simples uso do corte. Nesse momento em particular sente-se a sensação de desleixo e perda de informação causada por uma técnica errônea narrativamente e desnecessária.

Porém quando o longa passa a retratar a luta pela sobrevivência do personagem, em longos momentos de silêncio, sofrimento e lembranças, a projeção tem o seu ponto alto, emocionalmente eficaz, tecnicamente satisfatória, investindo agora nos planos abertos, na fotografia belíssima e buscando estabelecer uma descrição geográfica ao mesmo tempo que entra no mundo interior de seu protagonista, amarando as duas partes muito bem. Aqui cabe citar que a interpretação de Leonardo DiCaprio como um Hugh Glass  sofrido e determinado preenche a tela, assim como o cinismo,  a ganância e a complexidade de John Fitzgerald de Tom Hardy. O elenco de apoio conta com Domhnall Gleeson na sintonia certa Will Poulter encarna a confusão e a culpa de seu Jim Bridger muito bem.

Todavia, o que vinha muito bem até o desfecho se perdeu completamente numa história de vingança com uma resolução incoerente. Os diálogos finais entre os personagens que se enfrentam soam estranhamente mastigados, expositivos e dispensáveis.  O sofrimento de seu personagem não fora expurgado, aceitado ou transcendido, por mais que Iñárritu tente nos convencer que alguma dessas coisas aconteceu. A sensação não deixa de ser a frustração por assistirmos a uma história que, pela mudança de tom no seu ato final, dá a impressão de não resolver conflito algum.

Direção: Alejandro González Iñárritu

Roteiro: Alejandro González Iñárritu, Mark L. Smith, Michael Punke

Elenco: Leonardo DiCaprio, Tom Hardy, Brad Carter, Brendan Fletcher, Chris Ippolito, Christopher Rosamond, Dave Burchill, Domhnall Gleeson, , Will Poulter

Fotografia: Emmanuel Lubezki

Trilha Sonora: Bryce Dessner, Carsten Nicolai, Ryûichi Sakamoto

Montador: Stephen Mirrione

O que você espera desse filme? Comente e dê sua Nota... Ajude o www.setimaart.com e os outros internautas!
"O Regresso" Crítica da semana em Blu-Ray "O Regresso" Crítica da semana em Blu-Ray Reviewed by Gustavo Jacondino on 15:00:00 Rating: 5

Nenhum comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do Site, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor do www.setimaart.com reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.


>

Ads Top