Header AD

i

Crítica : Mad Max-Estrada da Fúria(Mad Max: Fury Road)



Hollywood adora regravar grandes sucessos, e o ano de 2015 vai ficar marcado como o ano do " Nada se cria, tudo se copia", mas nem sempre Ctrl+C Ctrl +V funciona bem no mundo da sétima arte. Temos vários fracassos aí pra comprovar isso. E nesses 30 anos desde que vimos Max(Mel Gibson) na telona pela última vez, muita coisa mudou. O cinema antes dominado por Sylvester e Schwarzenegger não é mais o mesmo, agora os "Cinéfilos' e a critica não são mais os mesmos, queremos mais e mais! Muita coisa poderia dar errado... mas não dá! Com uma ação desenfreada (chega sufocar) "Mad Max- Estrada da fúria" é um presente para os fãs.

E a ação começa logo, com Max obrigado a fugir de um grupo de selvagens. Na perseguição, acaba capturado. É levado então para a "Cidadela", cujo líder, Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), é Warlord e messias de uma estranha religião, responsável por oprimir os sobreviventes do holocausto nuclear que vivem sob sua proteção e imploram por um pouco de água. Quando a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) foge com as esposas de Joe, Max(Tom Hardy) vê a chance de escapar, mas precisa decidir se ajuda a rebelde ou se segue seu próprio caminho. Assim começam duas horas de ação sem tirar o pé do acelerador, com motos pulando, explosões, tiros, explosões, capotagens, explosões, Guitarrista cego tocando uma guitarra no alto no alto do caminhão( Por que isso? Porquê sim ué!), batidas e já falei explosões?.
Sem ser um reboot, um remake ou uma continuação propriamente dita, encontramos Max em algum lugar entre o segundo e o terceiro filmes (aparentemente), ainda com seu Ford Falcon Coupe Interceptor e com os cabelos compridos que vemos no início de a Cúpula Do Trovão.
 A direção de George Miller é impecável, ele explode tudo de verdade,  tudo rodado em locações,é o cineasta na moda antiga e mostra uma ação desenfreada capaz de fazer Velozes e Furiosos e seus carros voadores parecer simples demais. A quem diga que o Max de Tom Hardy que passa grande parte do filme com uma mascara(Lembrando muito seu seu personagem Bane na trilogia Batman do aclamado Nolan) seja o ponto fraco da produção e que em relação a Mel Gibson sua atuação fica a desejar, porem Hardy que nem se quer era nascido quando Gibson dava o ar da graça na telona, se entrega ao papel e apresenta uma visão diferente do personagem, fazendo de sua atução um dos pontos que mais me agradou. Mesmo quase sem falas a atriz Sul-africana Charlize Theron que raspou a cabeça para dar vida a  Imperatriz Furiosa mostra uma atuação forte e mais humanizada dos dois centrais da trama. É ela que rouba as "Parideiras" de Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), persuade  de Max(Tom Hardy) e leva todos a "redenção".  A fotografia de John Seale é grandiosa, o clima é o mesmo da Trilogia, mas aqui tudo é mais grandioso. E o que falar da trilha sonora? Ela é um personagem a parte! A trilha sonora consegue acompanhar cada momento do filme, dando clima e brindando o espectador a cada minuto.
  "Que Dia Agradável" como na frase gritada pelo personagem Nux vivido por Nicolas Hoult( Meu namorado é Zumbi, X-Man- Dias De Um Futuro esquecido) durante uma enorme tempestade de fogo, destroços, areia e destruição(Eu falei explosões?), acaba por definir a sensação ao final da película! Que dia agradável!
 No final  das contas Mad Max: Fury Road é uma verdadeira aula de como se fazer cinema vale o ingresso e é diversão garantida! 
 NOTA DO FOOSE:9,0


Sinopse:
Max, um ex-policial e agora guerreiro das estradas (Tom Hardy), acaba capturado por um perigoso grupo de guerreiros dos desertos apocalípticos da Austrália. Quando ele tem a oportunidade de fugir, precisa decidir se vai ajudar a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) a resgatar um grupo de garotas mantidas como escravas.
Nome original: Mad Max: Fury Road
Diretor: George Miller
Roteiro: Brendan McCarthy, George Miller, Nick Lathouris
Estúdio: Kennedy Miller Productions, Village Roadshow Pictures
Elenco: Abbey Lee, Angus Sampson, Charlize Theron, Coco Jack Gillies, Courtney Eaton, Debra Ades,
Duração:120 min.
Ano:2015
Data da estreia: 14/05/2015
Classificação:16 anos
País:Austrália, Estados Unidos
Produção:Doug Mitchell, George Miller, P. J. Voeten
Distribuidora: Warner Bros.


O que você espera desse filme? Comente e dê sua Nota... Ajude o nosso Blog e os outros internautas!


Crítica : Mad Max-Estrada da Fúria(Mad Max: Fury Road) Crítica : Mad Max-Estrada da Fúria(Mad Max: Fury Road) Reviewed by Phoenix Foose on 22:09:00 Rating: 5

Nenhum comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do Site, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor do www.setimaart.com reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.


>

Ads Top